Levada to Cabeço dos Trinta

MODERATE 1 reviews

Levada to Cabeço dos Trinta is a 14.8 kilometer moderately trafficked out and back trail located near Horta, Azores, Portugal that features a river. The trail is rated as moderate and primarily used for hiking, walking, nature trips, and birding.

DISTANCE
14.8 km
ELEVATION GAIN
678 m
ROUTE TYPE
Out & Back

birding

hiking

nature trips

walking

river

views

wild flowers

wildlife

Cabeço dos Trinta is part of Capelo’s Volcanic Structure and consists of an old basaltic volcanic cone. Besides the possibility of visiting this geological structure, it is possible to get into it, through a tunnel and visit this old volcano’s crater centre, covered now by natural vegetation, such as heath (Erica azorica), holly (Ilex azorica), among others. After making this detour, return to the beginning of the trail and go towards the water tank. The Levada water channels and the tanks belong the best hydroelectric engineering work of its time in the Azores. It was built around 1963. Contour this tank by the left and follow the earth track by the Levada. On the western side you might be able to see the cones alignment of Capelo Volcanic Structure. Some of the Laurissilva species that you might observe are the laurel (Laurus azorica), Frangula azorica, holly (Ilex azorica) and Vaccinium cylindraceum. Following the marked trail, you will find an area of cedars (Juniperus brevifolia). Enjoy the landscape over Faial’s western side. A bit further you will find a Japanese Cedars’ wood (Cryptomeria japonica). Cross the lapilli road (Caminho do Brejo) to the other side, where the Levada Trail continues. Ahead of you, you will have 3 km. Following along the water channel, you will find a sign with a brief explanation about the landslide that was caused by the 1998 earthquake. The trail ends a bit forward, after passing by a series of stairs that cross the landslide. At the end, you will be able to observe the major landslide associated to a stream and caused by the same earthquake. The trail ends at this point and you will have to return by taking the same track towards the opposite direction. O percurso da Levada inicia-se junto a uma estrada secundária de bagacina e apresenta uma extensão de 6 quilómetros, com um grau de dificuldade baixo e demorando cerca de 3h30m a ser efetuado. Antes de iniciar o trilho, sugere-se a visita ao Cabeço dos Trinta. Para tal, siga pelo caminho de terra batida à sua direita. Este cabeço faz parte do Complexo Vulcânico do Capelo, e consiste num antigo cone vulcânico basáltico. Para além de podermos percorrer esta estrutura geológica, é possível entrar nela através de um túnel e visitar o centro da cratera deste antigo vulcão, revestido agora por vegetação natural, como a urze (Erica azorica), o azevinho (Ilex azorica), entre outras. Depois de fazer este desvio, regresse ao início do trilho e dirija-se ao tanque de armazenamento de água. Os canais da levada e os tanques nela existente pertencem à melhor obra de engenharia hidroelétrica do seu tempo nos Açores, tendo sido construída por volta de 1963. Contorne este tanque pela esquerda e siga pelo trilho de terra batida junto à levada. Poderá visualizar, a Oeste, o alinhamento de cones do Complexo Vulcânico do Capelo. Algumas das espécies da flora da Laurissilva que poderá observar são o Louro (Laurus azorica), o sanguinho (Frangula azorica), o azevinho (Ilex azorica) e a uva-da-serra (Vaccinium cylindraceum). Seguindo o trilho demarcado, encontrará uma zona de cedros (Juniperus brevifolia). Contemple a paisagem sobre o lado Oeste da ilha do Faial. Mais à frente, encontrará uma mata de criptomérias (Cryptomeria japonica). Atravesse a estrada de bagacina (caminho do Brejo) até ao outro lado, onde tem continuação o trilho da Levada. Tem pela frente cerca de 3 quilómetros. Seguindo ao longo do canal, irá encontrar uma placa marcada com uma breve explicação sobre a derrocada provocada pelo sismo de 1998. O trilho termina mais à frente, depois de passar por uma série de escadas que atravessam a derrocada. No final, poderá observar a maior derrocada associada a uma ribeira na ilha do Faial, provocada por esse mesmo sismo. Chegado a este ponto termina o percurso, pelo que terá de regressar exatamente pelo mesmo caminho mas em sentido inverso.